Irmã Palmira Pereira

A Irmã Palmira Pereira nasceu em Fárrio, paróquia da Freixianda, no Concelho de Ourém, Diocese de Leiria, a 24 de Abril de 1931.

Entrou na Congregação no dia 23 de Março de 1955 e fez a sua primeira Profissão no dia 2 de Outubro de 1957.

Na sua vida de consagrada serviu em várias Comunidades da Congregação, entre elas, Colégio Andaluz, em Santarém; na Casa de Retiros do Bom Pastor, na Buraca, Lisboa; no Santuário de Fátima, aonde permaneceu 35 anos exercendo a sua atividade na Livraria do Santuário, na Quinta das Tílias, Belas, Lisboa e, finalmente, aqui em Aveiro desde 2016.

Como o salmista (Sal 62) suspirava pelo Senhor, passando muito tempo com Ele na capela, embora gostasse também de se recolher no seu quarto em oração.

A Irmã Palmira, nestes últimos anos, sofrendo de um grau de visão muito diminuído, ao ponto de não conseguir ler a Liturgia das Horas, recitava os salmos de cor, contemplando e unindo-se ao Senhor.

Era uma Irmã muito sacrificada que fazia o seu trabalho em silêncio, sem se queixar. 

Não gostava de dar nas vistas, mas era de uma perfeição extraordinária em tudo o que fazia. Tendo passado a maior parte da sua vida em contacto com o público, agora abraçara os trabalhos domésticos com toda a dedicação.

A exemplo do Bom Pastor, se pressentia alguém em sofrimento, aproximava-se discretamente sobretudo das pessoas mais humildes e pobres, com quem estabelecia uma relação de amizade, ajudando em tudo o que podia. Das pequenas ofertas que a Comunidade lhe fazia, no Natal, na Páscoa ou noutras ocasiões festivas, ela guardava-as para essas pessoas.

No Senhor colocava toda a sua confiança, sendo para todos um exemplo de pobreza evangélica.

Apreciava muito a vida da Congregação. Acompanhava o seu caminhar no dia a dia, assim como os problemas da humanidade.

Muito atenta às notícias que se passavam na paróquia e no mundo, comunicava-as às Irmãs e a comunidade, com ela, tudo colocava em oração.