Comunidade de Sesimbra - Crónica de um Passeio

Às sete e um quarto da manhã já estávamos todas a postos para sair. Foi uma pontualidade britânica. Tínhamos, como meta, visitar a comunidade da Amareleja, aproveitando alguns centros de interesse cultural e outros, que nos ficavam no caminho. Antes, porém, queríamos alimentar o espírito participando na Eucaristia que, segundo informações pouco fidedignas, era celebrada na Igreja de São Sebastião, em Setúbal, às oito da manhã. Guiadas pela nossa timoneira, irmã Susete, lá chegámos. Depois de arrumada a carrinha, dirigimo-nos à referida igreja, cujas portas estavam fechadas. Nem viva alma que nos pudesse informar onde poderíamos participar na Eucaristia

Depois de algumas hesitações, relativas ao nosso alimento espiritual, resolvemos continuar a viagem rumo ao Alentejo, como estava previsto. Um dos centros de interesse era passar pelo Redondo, em busca de vestígios da presença de Luiza Andaluz e da sua obra ali realizada. Todavia, como era segunda-feira de Páscoa, estava tudo fechado, o que desmotivou a nossa passagem por lá. O Castelo de Monsaraz, a Fonte da Pipa, em Barrancos e a barragem do Alqueva, eram os principais alvos do nosso interesse, por isso para lá nos dirigimos.

Ao longo da viagem fomos apreciando as extensas planícies alentejanas, enfeitadas com flores campestres, onde realçavam as cores, branca, amarela e roxa, que davam ao verde um soberbo e fabuloso colorido e despertava o apetite às muitas manadas e rebanhos que por ali se deliciavam com tão abundantes e diversificados manjares.

Ao chegarmos ao Castelo de Monsaraz ficámos deslumbradas com a paisagem e a beleza que caracteriza aquele horizonte maravilhoso, coberto de água e de vegetação. O Castelo, lugar estratégico de outrora, e que alberga apenas cerca de quarenta habitantes, é hoje um espaço turístico que atrai grande número de pessoas, que ali acorre todos os dias para admirar as suas ruinas e a beleza que de que está rodeado.

A nossa Irmã Ana, com os seus noventa e cinco anos, foi a mais corajosa em escalar todos os espaços, mesmos as mais difíceis e até perigosa, acompanhada sempre pela nossa irmã Lucília, que foi a nossa motorista. Talvez pareça “luxo” de mais ser a Irmã Lucília a conduzir-nos, mas não foi. É que o passeio já estava previsto para coincidir com a visita canónica à nossa comunidade, que se realizou de vinte e seis de Março a três de Abril, trazendo, ela, para o efeito, a carrinha do Noviciado.

Ao deixar o Castelo de Monsaraz dirigimo-nos para a Amareleja, onde visitámos o Centro Solar Fotovoltaica e a seguir, dirigimo-nos para a comunidade, onde partilhámos a refeição e estreitámos a amizade fraterna.

Depois das despedidas, fomos até à Fonte da Pipa, em Barrancos, lugar aprazível para contemplar a grandeza de Deus na Natureza, sobretudo numa cascata maravilhosa, onde, em tempos passados funcionou um moinho, hoje abandonado. Ali rezámos vésperas e agradecemos ao Senhor toda aquela beleza natural, que nos inebriou e deu tranquilidade interior. A Igreja de Barrancos foi outra local que visitámos e, onde cumprimentámos o Senhor Jesus.

O tempo foi escoando e tivemos de nos pôr ao caminho de regresso. Passámos pela barragem do Alqueva que, graças a Deus, já contém um nível de água razoável.

Chegámos a casa cansadas, mas cheias de alegria, terminando o passeio, com chave de ouro: a celebração da Palavra e comunhão Eucarística.

Queremos, pois, agradecer à Irmã Lucília a maravilhosa condução, a sua disponibilidade e boa disposição que, em muito, contribuiu para o êxito do nosso passeio. Bem-haja!

Para todas as Irmãs votos de continuação de Santa Páscoa e a nossa amizade fraterna.

As Irmãs do Castelo de Sesimbra