Vida

 
Luiza Andaluz nasceu a 12 de Fevereiro de 1877, filha de pais profundamente cristãos, que a educam no amor e altruísmo pelos outros.
Era visita assídua o Cardeal D. José Neto que da pequena Luiza terá dito que “nunca tinha visto tamanha fé numa criança”.
Aos 14 anos o Cardeal pede-lhe que ajude uma comunidade de contemplativas Capuchas numa obra social para crianças.
Vivem-se momentos de grande hostilidade à Igreja e, sobretudo, às ordens religiosas, muitas das quais são expulsas aquando da Revolução de 1910.
Nessa altura, Luiza Andaluz torna-se uma das principais dinamizadoras e responsáveis pela criação de escolas e oficinas de trabalho um pouco por toda a parte.
Com 38 anos sente que Deus a chama para a vida religiosa, como carmelita.
Em 1915, sente que a Vontade de Deus lhe aponta um novo caminho: fundar uma Congregação Religiosa que viva intensamente duas coordenadas: o desejo de se dedicar à vida contemplativa e a necessidade de uma resposta apostólica aos novos tempos.
Anima as suas companheiras que também sentem dentro de si a necessidade de se dedicar totalmente por Deus e pelo Seu Reino, e a 15 de Outubro de 1923 inicia-se a vida fraterna na sua casa em Santarém (hoje Casa Mãe da Congregação).
Luiza Andaluz foi mulher de Igreja, mulher de audácia e de coragem porque animada de uma profunda fé e confiança em Deus.
Alicerçou a sua vida na “rocha” que é Jesus e, por isso não vacilou. Foi uma mulher feliz!
A 20 de Agosto de 1973, com 96 anos nasce para o Céu.
 
 
 
Madre Luiza Andaluz
Fundadora da Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima
 
«Passar fazendo o bem à imitação do Mestre Divino,
tornar felizes os que nos rodeiam, que doce programa de vida!»
(Luiza Andaluz)